O Desafio da Informação em Saúde na Pandemia Covid19

 em políticas públicas, Saúde, SUS

Texto de Maria do Carmo Ferreira. Enfermeira Sanitarista, Mestre e Doutoranda em Saúde Coletiva e pesquisadora colaboradora do Núcleo de Estudos de Políticas Públicas da UNICAMP.

O Brasil dispõe de uma grande quantidade de informações sobre a condição de saúde dos brasileiros através de diversos Sistemas de Informações em Saúde, que vem sendo construídas desde a década de 80. Suas bases estão disponíveis para que pesquisadores, estudantes, profissionais e gestores da saúde possam acessar e produzir análises da situação de saúde de seu município ou território de interesse. O acesso às bases de dados deve ser dentro dos preceitos éticos, preservando a identidade dos sujeitos.

O problema crônico das informações em saúde no Brasil, é que os sistemas existentes não se integram em uma mesma base de dados; Desta forma, somente para citar alguns exemplos, nascidos vivos (SINASC), mortalidade (SIM), doenças e agravos de notificação compulsória (SINAN) e suas variedades como dengue, influenza, Internações hospitalares (SIH), produção ambulatorial (SIA), imunização (SIPNI), e da atenção básica (e-SUS AB), entre outros, por não se integrarem, dificultam e por vezes até impossibilitam análises mais completas de uma forma mais fácil.

No cenário atual, quando convivemos com uma pandemia de uma doença nova, com uma história natural ainda desconhecida, é de se esperar que os sistemas existentes apresentem dificuldades para dar conta dos registros desse novo agravo.

Frente à pandemia, o Ministério da Saúde optou por utilizar um sistema de informação já existente, mas de acesso limitado às unidades sentinelas da gripe, o SIVEP gripe, para notificação dos casos graves da Covid-19 e das Síndromes Respiratórias Graves (SRAG), e disponibilizou para notificação dos casos de síndrome gripal um outro sistema, e-SUS AB, que é um sistema da Atenção Básica.

Ocorre que esses sistemas, além de sofrerem adaptações na vigência da epidemia, causando apagões de informações e bloqueios de acesso dentre outras ocorrências dificultadoras, não se integram numa mesma base de dados para análise das informações dos casos nas suas diferentes formas clínicas. Também pode acontecer de um mesmo caso ser notificado nos dois sistemas causando duplicidades, o que demandaria um trabalho grande para limpeza destas duplicidades e consequentemente, determinando maiores dificuldades de análise. Além disso, no sistema de informações de síndrome gripal, existe uma imensa quantidade de casos que foram notificados e não investigados laboratorialmente pela falta de exames que existiu no início da pandemia. O que fazer com estes casos? Serão confirmados por critério clínico epidemiológico?

O sentido da existência dos sistemas de informações em saúde, para os gestores, é o de dar subsídios para a tomada de decisões; para os profissionais que prestam assistência à população, eles são fundamentais no apoio às decisões clínicas e no acompanhamento da situação de saúde da população sob sua responsabilidade; para a população em geral, é através das informações dos sistemas, que são desenvolvidos informes, boletins, notícias e outras formas de comunicação a respeito da situação sanitária no território, os riscos existentes, os grupos mais vulneráveis e as medidas mais efetivas para o controle da situação.

No caso da presente pandemia, onde ainda hoje a principal e mais eficaz forma de combate-la é através do distanciamento e isolamento social e adoção de medidas de proteção que não fazem parte de nossa cultura, como o uso de máscaras, a comunicação com a população, baseada em informações seguras, tratadas de acordo com os preceitos epidemiológicos, é fundamental.

O que temos hoje, infelizmente não contempla plenamente nenhum dos objetivos. Temos dificuldade de acesso e de análise das informações. Com isso, a forma como a informação chega até os indivíduos, muitas vezes é através de boletins epidemiológicos com muitos dados, são muito descritivos, mas com pouca análise, dificultando o entendimento por parte da população sobre o verdadeiro risco à sua saúde e quais as medidas a serem tomadas para sua proteção.

A comunicação mais acessível e esclarecedora atualmente é a divulgada pela mídia, que tem desempenhado um papel fundamental na divulgação das informações. Por vezes, a comunicação midiática é focada principalmente na contagem de novos casos e óbitos, com pouca análise e contextualização; no entanto muito se tem esclarecido através das informações produzidas em entrevistas com cientistas, epidemiologistas e outros profissionais de saúde. Mas como fazer para estes debates e informações chegarem para toda a população?

No momento atual, com todas as dificuldades e temores que pandemia e a forma de combate-la traz para o dia a dia da maioria da população, os gestores deveriam aprimorar as análises das informações produzidas e fazer uma tradução do seu significado para a população comunicando o real risco a que a população está submetida, numa linguagem acessível para todos, principalmente para a população socialmente mais vulnerável.

É preciso resgatar os objetivos das informações em saúde.

Bom seria se todas as autoridades levassem a sério a importância da comunicação com informações corretas, produzidas através de estudos epidemiológicos e não daquelas distorcidas de acordo com diferentes interesses políticos e econômicos.

 

 

 

Imagem de Gerd Altmann por Pixabay
Publicações recomendadas