Lançamento do CJ reuniu parceiros do projeto em Fortaleza

 em General

O lançamento oficial do Cidadania Jovem reuniu em Fortaleza (CE), no dia 29 de abril, representantes das três instituições parceiras no projeto: Instituto de Pesquisa e Apoio ao Desenvolvimento Social (Ipads), Bayer e Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems). Também participaram prefeitos e secretários de saúde dos municípios beneficiados pelo projeto.

O evento foi realizado durante reunião extraordinária do Conselho Nacional de Representantes Estaduais (Conares), como parte da programação do VII Congresso Norte e Nordeste de Secretarias Municipais de Saúde. A coordenadora do projeto pelo Ipads, Carmen Lavras, apresentou o Cidadania Jovem à plateia presente, salientando a importância de ações de promoção da saúde de adolescentes. Uma faixa etária, segundo ela, que é “quase invisível” para as políticas públicas, mas que carrega um conjunto de desafios, seja na formação da cidadania, seja no desenvolvido físico, social e psicológico.

Ela chamou a atenção para os altos índices de mortes por Causas Externas entre os adolescentes, motivadas pela violência, os casos de Doenças Sexualmente Transmissíveis e a gravidez precoce, que de acordo com dados Ministério da Saúde, atinge hoje 600 mil jovens em todo o país. “Por todo esse conjunto de desafios que os adolescentes enfrentam, eu acho fundamental que a gente trabalhe metodologia e instrumentos para as políticas públicas voltadas a essa faixa etária”, afirmou.

“A Bayer está há mais de 120 anos presente no Brasil, sempre acreditando que o país tem futuro e colaborando com o desenvolvimento de projetos para o desenvolvimento de uma sociedade melhor”, disse a diretora de Acesso ao Mercado Bayer, Sílvia Sfeir. De acordo com ela, como a Bayer trabalha também com planejamento familiar, a empresa tem interesse em contribuir para a disseminação de informações que possam “empoderar o adolescente  e dar subsídios para que ele tome suas decisões com responsabilidade”.

Sfeir não escondeu ter ficado perplexa com o número de casos de gravidez na adolescência e, ao mesmo tempo, feliz porque a empresa que representa contribui com o projeto. “ Esse adolescente vai ser um bom profissional no futuro, vai ser a força motriz desse país daqui a alguns anos e nada melhor do que poder influenciá-lo e educá-lo com muitas informações, a fim que ele próprio possa tomar as rédeas de sua vida”, concluiu.

Já o presidente do Conasems, Mauro Junqueira, destacou o projeto, que considera ousado e inovador, como forma de construção de uma política de saúde voltada ao adolescente dentro da Atenção Básica do SUS. “Muitas vezes nós, gestores, não conseguimos atingir esse público. Com esse projeto, que selecionou cinco municípios, um em cada região do país, a ideia é que a gente tenha manuais, vídeos e cartilhas para fomentar a discussão e a participação desses jovens na política pública. A partir daí, poderemos ter um plano de cuidados para os adolescentes que sirva para ser aplicado em todo o país.”

Para finalizar, Junqueira convidou os gestores municipais de todas as regiões de saúde do  Brasil para acompanharem a evolução do projeto nas mídias sociais do Cidadania Jovem, Conasems, Bayer e Ipads. “A ideia é que em um curto espaço de tempo a gente possa estar cobrindo boa parte do nosso território nacional. Então, fiquem atentos”.

Autoridades municipais falam sobre a importância do projeto

Para o lançamento do CJ estiveram em Fortaleza os prefeitos de Demerval Lobão, Piauí; Rio Preto da Eva, Amazonas, e Pedreira, São Paulo. Dos municípios de Cascavel, Paraná, e Goianésia, Goiás, participaram do evento os secretários municipais de saúde. São autoridades que representam regiões de características diferentes entre si. Mas como têm em comum a necessidade de trabalhar com o público adolescente, todos agradeceram a oportunidade de participar do projeto.

Em entrevista após o lançamento do CJ, os prefeitos e secretários falaram das expectativas, das ações que estão programando e dos desafios que enfrentam  em seus municípios.

Demerval Lobão:

O prefeito de Demerval Lobão, o menor município a participar do Cidadania Jovem, chegou à capital cearense  bastante animado. “O projeto caiu do céu, porque a gente tem muitos problemas com os adolescentes. Eles são muito dispersos, ficam andando pra lá e pra cá, não tem muita atividade”, contou Luiz Gonzaga de Carvalho Júnior.

O município fica na Região Metropolitana de Teresina, na região Nordeste, e tem pouco mais de 13 mil habitantes. No dia 27 de abril, quando tiveram início as oficinas, os monitores já exibiam camisetas com a logomarca do Cidadania Jovem diante da plateia, onde o prefeito tratou de reunir não só os adolescentes, mas também as famílias, para explicar o projeto e motivar também os pais.

Para os adolescentes que participarem das atividades até o final das oficinas, a Prefeitura vai oferecer uma viagem a São Raimundo Nonato, a cerca de 500 quilômetros, em visita ao Parque Nacional Serra da Capivara, patrimônio mundial da Unesco. Um lugar, que segundo o prefeito, os jovens querem muito conhecer.

Júnior Carvalho, como é conhecido, diz também que em Demerval Lobão o Cidadania Jovem não vai acabar após o tempo previsto de duração, que é de 10 meses. “Nós abraçamos esse projeto, vamos ver o que ficou de melhor, o que os jovens gostaram, e não vamos parar. Vamos dar continuidade e fazer o que for possível daqui para a frente”, anunciou.

Pedreira:

A exemplo de Demerval Lobão, Pedreira, município paulista que representa a região Sudeste e tem 46 mil habitantes, deu início às oficinas no dia 27 de abril. Durante o evento em Fortaleza, o prefeito Hamilton Bernardes Júnior externou sua preocupação com a falta de expectativa dos jovens que, tendo concluído o Ensino Médio, já se dizem formados.

“Chega uma certa idade e o adolescente começa a não ter mais esperança, a não saber o que vai fazer, qual caminho vai tomar. Nós queremos mostrar que existem outras formas de crescer, que ele pode estudar mais, que existe educação a distância, que tem alternativas e que ele pode se desenvolver e pode sonhar. E é isso que esperamos: que os jovens tenham sonhos, sonhos para construir uma vida melhor, um futuro melhor e que possam, com as suas próprias pernas, conseguir um resultado melhor para ele e para sua família.”

Rio Preto da Eva:

Em Rio Preto da Eva, que fica na Região Metropolitana de Manaus, a base da economia acaba por influenciar o comportamento dos jovens. Com atividades divididas entre a agricultura e o turismo,  o município de 32 mil habitantes recebe número igual de turistas aos finais de semana, o que dobra o movimento na cidade..

“Hoje o nosso maior problema é a prostituição infantil. Meninas de 11 a 12 anos de idade já estão grávidas. Isso acontece em todo o Brasil, mas nós recebemos a influência dos turistas que vêm de Manaus. São muitas hotéis, casas de festa e muita droga, também, que chega na cidade”, explica Anderson Sousa.

Rio Preto da Eva recebeu a capacitação nos dias 26 e 27 de abril e já prepara as oficinas com os adolescentes. “Estamos montando toda uma estrutura por secretaria para dar apoio a todo o trabalho e também estamos pensando em brindes e lembranças para atrair os adolescentes. Abraçamos esse projeto com muita convicção e  esperamos com ele poder resolver a situação, esclarecer e dar vida a esses adolescentes. É um trabalho que vai ajudar muito a dar cidadania, espero que essa parceria sirva de exemplo e que possa também ajudar a formatar um projeto mais amplo para todo o Brasil”, completou Sousa.

Cascavel:

Em Cascavel, no Paraná, o maior dos municípios beneficiados pelo projeto, com 320 mil habitantes, são as consequências da localização que mais preocupam: Cascavel serve de passagem para os dois outros estados do Sul e faz fronteira com Paraguai e Argentina. Está, portanto, na rota do tráfico de drogas.

 

“Há muito  envolvimento de adolescentes com drogas”, informou o secretário de Saúde, Rubens Greip. “É uma cidade que tem apresentado crescimento acelerado, muitas vezes deixando esse grupo às margens das políticas públicas . Fazer parte desse projeto é fundamental para que a gente se organize também e olhe de forma diferenciada para esses jovens. Na grande maioria das vezes, a gente acaba se preocupando com eles quando já estão  com problemas, não só em relação à saúde, mas em relação ao contexto social. Então, estamos recebemos o projeto com muita alegria”.

A capacitação dos monitores também foi realizada no final de abril, e agora a prefeitura reúne várias secretarias para preparar as oficinas do projeto, que serão realizadas na Praça Céu. “É um centro de juventude intersetorial , gerenciado pela assistência social, e tem uma estrutura bem dinâmica, com biblioteca pública, quadra de esportes, pista de skate e áreas de oficinas temáticas. Agrega uma região de extrema vulnerabilidade do nosso município. Tenho certeza que vai atrair o grupo de adolescentes que a gente se propõe a atender dentro daquela região”, explicou Greip.

O secretário garante que o Cidadania Jovem terá desdobramentos: “O primeiro grande legado é criar um grupo de pessoas que tenham uma formação inicial e uma vinculação direta ou indireta com as secretarias envolvidas na proposta. E que possam consolidar outras discussões em outros territórios que nós temos também, muito vulneráveis no município. Claro que a gente aprende junto, aprende fazendo. Mas acredito que a vamos construir uma plataforma inicial para poder dar voos maiores”.

 

Goianésia:

Com 69 mil habitantes, Goianésia se destaca no estado de Goiás como polo de educação e saúde e foi o último município a aderir ao Cidadania Jovem. As inscrições para a capacitação presencial dos monitores acabam de ser abertas. “Acho que um grande desafio que temos hoje, enquanto saúde pública, enquanto responsabilidade social dos gestores municipais é a abordagem com essa faixa etária. O adolescente é um público-alvo difícil de ser abordado”, avaliou  o secretário municipal de saúde de Goianésia, Hisham Hamida.

Mas ele também se diz confiante na didática, na dinâmica e principalmente nos resultados do projeto:“Essa questão da inclusão social e os desdobramentos que isso dá em relação à gravidez precoce, ao empoderamento, em formar jovens e formar líderes, tudo isso vem para agregar e vai  trazer oportunidades para essa população”.

O secretário, que também faz parte da diretoria do Conasems, vê com otimismo a elaboração de documentos sobre Promoção da Saúde de Adolescentes, que serão elaborados como parte do projeto e disponibilizados a toda a rede de Atenção Básica do SUS. “Acho que isso vem de encontro ao próprio plano do Conasems em relação à AB. Os documentos norteiam a gestão e a equipe técnica na tomada de decisões e na conduta de trabalho nas unidades e fazem parte de um eixo importante, que é a educação permanente, uma das nossas preocupações”.

Em Goianésia o Cidadania Jovem também será uma ação multisetorial, envolvendo diversas secretarias. O espaço para as oficinas já foi escolhido. “Sob o comando do prefeito, vamos levar o projeto para o Céu das Artes, um centro comunitário que fica em um bairro onde há demanda de vulnerabilidade. Então vamos conseguir ter uma abordagem bem específica e bem produtiva com o nosso público”.

 Saiba mais : Projeto Cidadania Jovem

Publicações Recentes